quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Outros arrabaldos, outras músicas


Pois como gosto tanto das histórias, da gente ravaleira de todos os arrabaldos do planeta,e das suas músicas, hoje vou continuar com outro filme que Carlos Saura, o director de cinema, lhe adica a outra cidade sonhada por mim, a miudo, mália nunca a ter pisado. Mas as cousas que se sonham, adoitam ser as mais fermosas, porque em elas imos deixando o mais fermoso de nós mesmos; as nosas fantasias.
Pois esta cidade que digo, é umha cidade grande, umha grande metrópole boémia, pesimista, triste e contraditória. Umha cidade que se queixa de tudo, mas que, no fundo, acredita ser a m elhor do mundo. Umha cidade que vive a cabalo do orgulho e do pesimismo, a partes iguais. Umha cidade na que, se mesturam a chuleria italiana com a saudade galega a partes iguais, e logo umhas pingas de todo o demais:
Polacos, franceses, ingleses, teutões, judeus, sírios, eslavos, gregos,bolivianos, peruanos...Numha amalgama que reflicte o que a vida é: Um tapis com cores que nunca acabam...
Aquí, neste primeiro video do filme de Carlos Saura, ve-se essa chegada de gentes de todo o mundo, com as suas malas cheias de recordos e ilusões:





Nostalgias...



A tristeça crepuscular dumha milonga:

Nenhum comentário: